Páginas

Quem sou eu

Minha foto
BELÉM, PA, Brazil
Sou Engenheiro Agrônomo, Doutorando Em Desenvolvimento Econômico, Território E Meio Ambiente, Mestre Na Área De Gestão Dos Recursos Naturais E Desenvolvimento Local Na Amazônia, Especialista Em Educação Ambiental E Uso Sustentável Dos Recursos Naturais, Graduando Em Licenciatura Plena Em Física E Docente Do Magistério Superior Na Área De Economia E Desenvolvimento Agroflorestal Na Universidade Federal Do Pará.

sexta-feira, 29 de julho de 2016

UM POUCO DO COSMO

Vinha eu em minha busca por entender o que pode fazer um homem expressar seus mais sublimes sentimentos, sejam estes o amor, a caridade, a fraternidade dentre as infinidades de virtudes que temos, Oxalá que não se possa nem contar. Na busca por entender o amor interno, por realmente saber como é sentir no peito a força do amor, encontrei um caminho, recebi livros, exercícios, ensinamento, conhecimento e possibilidades de transe espiritual. O verdadeiro buscador não se conforma com o que tem, nem deve mesmo se conformar, pois o verdadeiro buscador é um eterno aprendiz, a única certeza que lhe move é a busca pela luz e pela verdade, pois sabe da infinidade que é a existência de DEUS.
A física do cosmo é virtuosa e ao mesmo tempo inebriante, foi com os homens da física que parcela significativa da humanidade tomou conta da sua importância, que dogmas e formas geométricas pouco interessantes foram tomando seu caminho, por não dar conta do que realmente DEUS criou, isso para os que acreditam em um momento de criação. Foi Aristarco quem falou pela primeira vez de um universo Heliocêntrico, mas isso ficou guardado por mais de dois mil anos até que Copérnico resgatasse a ideia do Sol no centro do Universo e Galileu com sua luneta confirmasse.
Em 1543, Copérnico levantou a hipótese de que a terra poderia não ser o centro do universo. Galileu Galilei (1564 – 1642), construindo o primeiro telescópio, pela primeira vez pode confirmar a velha hipótese de Demócrito de que a Via Láctea era mesmo composta por estrelas. Em meados do século XVII, a evolução do conceito de Universo já havia se estendido para muito além do modelo heliocêntrico proposto por Copérnico e confirmado por Galileu; ele era descrito como um conjunto muito grande de estrelas como o Sol. Isaac Newton (1642 -1727) sintetizou todos os esforços anteriores de Copérnico, Kepler e Galileu, reunindo-os pela primeira vez dentro de uma estrutura sólida, a Mecânica Celeste, que era embasada num formalismo matemático poderoso, o cálculo infinitesimal.
A primeira lei de Kepler foi publicada em 1609, ano em que Galileu Galilei apontou a luneta pela primeira vez para o céu e a partir dai a astronomia seria totalmente outra, mas as leis de Kepler foi toda elaborada sem telescópio. Quando falamos de astronomia hoje pensamos em astrônomos olhando através do telescópio, mas havia uma atividade intelectual, cientifica seria e bem sucedida antes que o primeiro telescópio fosse inventado.

No século XVI, Copérnico revolucionou postulando um novo sistema no mundo, o heliocêntrico. Mas, para o conhecimento dos movimentos planetários, os dois maiores nomes desse período são Tycho Brahe e Johnnes Kepler. Tycho, em seu observatório em Uraniborg, fez uma precisa série de observações dos planetas durante vinte anos. Kepler, herdeiro das observações de Tycho, as utilizou para deduzir as três leis que levam o seu nome.

Um comentário:

  1. A física sempre foi muito influente para teorização geral da ciência. Acho que Galileu foi o responsável pela transição do pensamento mais ligado à filosofia para um momento mais pré-científico. A ideia de experimentação e construção de leis gerais já estão um pouco mais claras nesse momento. Isso vai influenciar TODAS as outras matizes de conhecimentos que nem ainda poderiam ser consideradas ciências. O que vai ser, ao mesmo tempo, um ponto de avanço e um jaula epistemológica. Acho que só no século XX, com o pensamento quântico e suas consequências, vamos ter uma revisão desse olhar cartesiano-experimental, mas que ainda persiste em muitas áreas do conhecimento.

    ResponderExcluir